7/17/2017

LET'S TALK ABOUT (MY) DEPRESSION - HIGH SCHOOL




 Ler em Português      Read in English

Antes de mais, deixem-me avisar-vos que este post vai ser longo. Muito longo. Portanto, se não gostam de ler, este não vai ser o post aconselhado.

Hoje venho, finalmente, falar da minha situação nos últimos três anos. Foi este o principal motivo que me levou a criar o blog. Precisava dum espaço meu, onde ninguém me pusesse um rótulo, pois isso já estava a acontecer diariamente, na minha vida real.

Sim, estou a falar do secundário, os três piores anos da minha vida. Tudo começou no 10º ano, onde as escolas de aldeia acabam e sou obrigada a ir para uma escola de cidade. Sempre estive habituada a ter boas notas. Quer dizer, excelentes notas. Também não estava habituada a qualquer tipo de rótulo. Estava, sim, habituada a que reconhecessem o meu mérito. Na aldeia ninguém se preocupava em rotular ninguém. A escola era um seio bastante familiar, sabem?

Foi uma mudança radical, mas nem foi isso que me custou mais. Para ser sincera, sempre fui bastante sociável, pelo que o problema não foi na mudança de escola. Mas, infelizmente, o problema acabou por residir um pouco aí.

Quando, no 10º ano, recebo a minha primeira negativa, fico quase que em choque. Não estava habituada a não ser recompensada quando dava o meu melhor. Foi aí que percebi que o meu melhor já não chegava. Precisava de ir mais além. 

No 10º ano ainda fui controlando o meu estado mental. Sabia que era o primeiro ano e que ainda me faltavam mais dois, pelo que ainda podia recuperar a minha média. No 11º foi onde tudo desabou, e não me lembro de tempos mais negros que estes. O primeiro período ainda correu bem. Tive boas notas e estava feliz. Até que tudo mudou. As minhas notas deixaram de ser o que eu queria. Comecei a obcecar. Sim, obcecar. Comecei a anotar as horas que estudava cada disciplina, sendo que não me sentia bem comigo mesma se, ao fim da semana, não tivesse registado pelo menos 25 horas de estudo. Eu regia a minha vida em torno do estudo. Deixem-me exemplificar. Lembro-me perfeitamente quando, no 11º ano, à quinta feira, saía da escola as 18:30h. Tinha tudo planeado na minha cabeça: chegava a casa, tomava banho, jantava e lá para as 20:00h era altura de estudar até não conseguir mais. Depois, quando me ia deitar, não conseguia dormir, e tornei-me num verdadeiro zombie.

Praticamente deixei de falar. Chegava a casa e ou a) chorava, b) estudava, c)chorava e estudava. Era uma coisa por demais. Eu começava assim a chorar, do nada. Sentia-me tão mal. Nunca pensei em matar-me, longe disso, mas tinha um aperto tão grande no estômago que pensava que, se me atirasse duma varanda e batesse com o peito no chão, toda aquela dor desaparecia. Era uma tristeza atroz que carregava todos os dias. Era prisioneira das paredes daquela escola que tão livremente me controlavam. Como disse, era uma escola de rótulos, de aparências. Eu via os outros alcançar grandes notas, e tal não acontecia comigo. Claro, comecei a aceitar que o problema estava em mim. Comecei a não ter confiança e a aceitar-me enquanto não inteligente. A minha sorte foi que pude sempre contar com os meus pais, que estão sempre lá para mim. Tal como o meu namorado, que esteve sempre presente desde o início, e que com a sua paciência infindável me tem aturado. Os meus pais sempre disseram que, se fosse preciso uma ajuda extra, eu a teria, sem qualquer dúvida. Também nunca me obrigaram a apresentar qualquer resultado. Queriam-me uma pessoa trabalhadora, e isso sabiam que tinham, pelo que o que mais desejam é ver-me feliz. Tal não estava a acontecer.

Foi então que chegou o momento: decidimos pedir ajuda. Comecei a frequentar consultas de pedopsiquiatria. Isto em Fevereiro de 2016. Nunca me tinha sentido tão perdida. Estava a viver numa escuridão e dela não conseguia sair. Comecei a tomar antidepressivos, comprimidos para dormir e a ter consultas mensais. A doutora foi uma mais valia na minha vida. Conseguia-se pôr perfeitamente no meu lugar, e ainda hoje sinto isso. Sim, porque eu continuo com problemas. Mais à frente falarei de tudo.

Com o passar do tempo e com o apoio dos meus pais e da doutora, consegui começar a lidar melhor com as situações, apesar de ter tido grandes recaídas. Ainda me lembro uma vez quando, numa aula de entrega de testes a física e química A, recebi um 13 e comecei a chorar desalmadamente. Saí da sala numa correria, e só me lembro que não conseguia aguentar mais este estilo de vida. Eu precisava de ser adolescente, de viver a vida, e de não me reger por uns quantos estereótipos que uma escola me estava a impor. Lembro-me que, quando regressei à sala, as lágrimas corriam-me enquanto olhava para a professora, mas eu nada conseguia fazer para as parar. Era como se de mim não dependessem aquelas lágrimas. 

Consegui melhorar bastante e em Junho de 2016 fiz os exames bastante mais tranquila. O pior foi quando recebi os resultados e não eram os pretendidos. No dia de saber os resultados tive um ataque de ansiedade, mas lá consegui tranquilizar-me e perceber que aquilo não seria nada. Iria levantar-me depois da queda, e enfrentar tudo o que tivesse para vir. Se aquilo era uma tentativa do universo me dizer que eu não conseguia ser aquilo que queria, eu ia mostrar o contrário.

Devido à minha evolução positiva, em Julho de 2016 foi-me retirada a medicação. Consegui começar a dormir bem. As minhas noites até então eram infernais. Dormia 4 horas, se tanto, mesmo em vésperas de teste. Conseguem imaginar o meu estado?

O 12º ano começou de forma bem mais tranquila. Consegui gerir o meu tempo e entender quando tinha que estudar e quando já não estava a render e era preferível fazer uma pausa. Até comecei a ir mais ao skate! Infelizmente, as minhas dores de garganta eram frequentes. Nas análises acusou falta de vitamina D, mas existe a possibilidade de grande parte do sofrimento ser psicossomático. 

Lá para Março de 2017, comecei novamente a ir-me abaixo. Nem era tanto a nível de escola, era a nível pessoal. Ainda não consigo entender bem porquê. Comecei a sentir uma vontade enorme de me isolar, de não falar com ninguém nem sequer estabelecer qualquer tipo de contacto. Comecei a afastar quem de mim era mais próximo. Assim, voltei ao consultório para me encontrar com a doutora. Não estava bem. Eu obcecava com o mínimo problema. Para mim, tudo era uma tempestade. Andava nervosa, por causa dos exames e do aproximar da universidade, pelo que tudo era uma enorme tempestade num copo de água. E foi assim que a medicação voltou, e estou atualmente a tomá-la. Continuo a refugiar-me em casa e com vontade de me isolar. A vontade já não é tanta, é certo, mas ainda não me sinto 100% eu.

Há precisamente um mês atrás, deu-se a grande tragédia do maior incêndio de Portugal. O incêndio afetou a minha família, pois grande parte vive em Castanheira de Pêra. Foram dias horríveis, sem os conseguir contactar ou sequer ter novidades. Ainda tenho um familiar a lutar pela vida, mas sei que ele tem muita força e que vai tudo correr pelo melhor <3 O pior já passou! Tudo isto se passou na véspera do meu exame de Português. Sabem o que é vocês quererem estudar mas não conseguirem porque coisas mais importantes se alevantam? Não conseguia estudar em casa, pelo que me refugiei na casa de uma família amiga, que tem sido tudo para mim. Conheci-os pois comecei a ter explicações de matemática lá em casa. Nunca pensei ganhar uma família que se tornasse tão família para mim. Ainda por cima ganhei uma "amiga aleatória", com quem posso contar para tudo! Sem eles, não sabia o que teria feito naqueles dias. No dia seguinte, fui para o exame como se fosse lá passear. Não me sentia nervosa para aquele propósito, pois sabia que aquilo era irrelevante quando comparado ao que os meus familiares e outros milhares estavam a passar. Antes do exame tive um ataque de tosse e de um momento para o outro fiquei doente. Sim, é isso mesmo que estão a pensar: tosse psicossomática.

No dia 23 de Junho de 2017, tive o meu exame de matemática A. Estava super doente, e não aguentava mais a pressão de tantos acontecimentos consecutivos. Quando cheguei a casa, nesse mesmo dia, tive um ataque de pânico. O pior que eu já tive. Lembro-me de começar a berrar, a chorar descontroladamente, a dizer que queria morrer. Não me consigo lembrar de tudo o que fiz ou disse, concretamente. Os momentos mais nítidos que tenho na minha cabeça são já os momentos em que estou debaixo do duche, para onde os meus pais me levaram de forma a acalmar-me. Estive lá um bom bocado, sempre com os meus pais à minha volta, com palavras de calma e carinho. 


Na passada quinta feira, dia 13 de Julho, fui saber o resultado dos meus exames. Não podia estar mais feliz. Finalmente, todo o meu esforço foi recompensado. A matemática A, que é a minha prova de ingresso, valendo 50% para a entrada na faculdade, tive uma nota excelente, a nota que o professor do 12º me deu no último período. Sinto que, nos três anos de Matemática A, o 12º foi aquele onde o meu valor foi realmente reconhecido. A escola tentou deitar-me abaixo, dizer que eu não conseguia. Mas foi aí que eu sonhei, quis e fiz. 

Com isto, quero-vos dizer para nunca desistirem. Mesmo apesar de todos os obstáculos, da minha depressão, e de ter caído inúmeras vezes, nunca deixei de me levantar. Acreditem em vocês, até ao final. Sei que vai ser difícil, para mim foi e sempre o será. Mas vai valer a pena. Quando agora, olho para trás, vi o que cresci com tudo isto. Aprendi a relativizar as coisas que não valem a pena. Aprendi a acreditar em mim. E, mais importante de tudo, aprendi que eu consigo. Eu consigo, independentemente do que uma escola ou alguém possa ditar. Não deixem que vos deitem abaixo. Vale a pena viver a vida! Procurem quem vos oiça e/ou ajuda especializada, e não tenham medo de pedir ajuda! Eu pedi, e tenho orgulho de o ter feito. Não é nenhuma vergonha! Se têm a capacidade de reconhecer o vosso estado e conseguem pedir ajuda, isso é um enorme feito! É uma luta constante contra os meus pensamentos. Ainda atualmente continuo a lutar contra eles. Sempre foram e sempre serão os meus piores inimigos. Sei que vão existir outros momentos igualmente difíceis, mas cá estarei eu para os enfrentar e, desta vez, com mais experiência e alento.

Para todos os alunos prestes a entrar no secundário, para todos os que já lá andam ou para quem acompanha os seus familiares nesta etapa da vida, lembrem-se que não é fácil. Estejam atentos aos pedidos de ajuda silenciosos. É um percurso cheio de curvas e contracurvas, mas que no fim será satisfatório olhar para trás e pensar "eu consegui". É isso que eu agora faço, e nada mais me enche de orgulho do que ver tudo aquilo que ultrapassei. É uma coisa emocionante, sabem? Conseguir acabar o 12º ano com média de 18 foi um orgulho. Ter aprendido a lidar com esta sociedade de rótulos é um orgulho. Agora aqui vou eu, para a universidade, fazer o que eu mais quero na vida: tornar-me engenheira.



45 comments:

  1. Beautiful pic. Thanks for sharing with us your thoughts.

    ReplyDelete
  2. De repente estava a ler o teu texto e a rever-me em tudo. Os meus 3 anos de secundário foram bem mais tranquilos, o pior mesmo foi ter chegado à universidade: sempre tinha tirado muito boas notas e lá tirei uma negativa num teste. Conclusão: comecei a ficar cismada em que jamais iria conseguir fazer a cadeira.
    Tal como tu, chorei imensas vezes e estudava imenso. Virei quase uma "escrava do estudo", mas que no final não tinha grande resultado.
    Felizmente, consegui ultrapassar isto e só sofri de tal coisa no primeiro semestre. O segundo foi bem mais tranquilo, até porque mudei de casa e tinha pessoas com quem falar e distrair-me (que, no fundo, era o que estava a precisar).
    Nunca abordei este assunto assim publicamente (nem no blog, tal como fizeste agora), mas acredito que um post como este pode ajudar alguém nesta situação :)

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  3. Foi um acto de grande coragem vires cá abrir-te de tal forma. OS teus pais devem estar muito orgulhosos de ti, especialmente tu mesma. É bom quando finalmente conseguimos algo que queríamos imenso. Sem dúvida que estás de parabéns e que és uma rapariga muito forte. Boa!

    ReplyDelete
  4. Li a tua historia. Gosto de ler e saber historias reais... ha uns tempos, reconheci que estava a ir para um caminho escuro, a infelicidade de estar cá fora, de passar os dias em casa a tomar conta das minhas 2 filhas, ver o meu namorado so ao final do dia onde aparecem mil e uma tarefas para fazer e sem tempo para nós, principalmente para mim... sentir-me sozinha, e dava por mim sem vontade para nadaa, só a chorar e ele sem saber o que fazer. Foram longas conversas, so com ele e foi ele que me ajudou a dar a volta por cima. Por isso, reconheço que não é facil, mas estamos aqui para VIVER ! Força miuda e parabens !! Obrigada pelas tuas palavras...

    ReplyDelete
  5. Minha querida, li o teu desabafo do princípio ao fim...O que posso realmente concluir é que és uma guerreira e deves lutar sempre pelos teus sonhos! Desistir não é solução e ninguém tem o poder sequer de o impor na nossa cabeça.
    Eu bem sei o que sentes quando te referes a teres focado a tua vida no estudo, porque eu também já passei por essa situação de querer "controlar tudo na minha cabeça". O que eu aprendi com isso e nos últimos tempos, é que não temos essa capacidade de controlar tudo...Pelo que o melhor é realmente confiar nas nossas capacidades e deixarmos as coisas correrem.
    Força princesa!

    Beauty and Fashion | Instagram

    ReplyDelete
  6. Vou para o secundário e já me tinham dito que era horrível no início quando disse que curso iria seguir tinha uma monte de pessoas a dizer que não iria conseguir , professores e até amigos ... tenho muito medo mas sei que se quero algo tenho de me esforçar ... sou uma pessoa que não gosta de ler mas este texto cativou me . Beijinhos ^-^

    ReplyDelete
  7. Gostei do post !! Também passei muito no secundário :s mas força linda!
    Mil e um beijinhos,

    https://kika--maria.blogspot.com/

    ReplyDelete
  8. Olá linda, bem...podia ficar aqui a escrever até amanhã mas vou tentar ser breve.
    Sei que não nos conhecemos pessoalmente, mas pelo menos já nos conhecemos, de uma maneira ou outra, o que quero dizer é que eventualmente, se precisares falar ou algo do género terei todo o gosto de fazê-lo contigo, pois estou atualmente numa situação semelhante à tua. Não decorreu durante o secundário mas após a licenciatura em design de moda e têxtil.. não sei qual a área que pretendes seguir mas a minha trata de muita concorrência e competição o que não é nada saúdavel! Contudo, após algumas peripécias entre outros obstáculos consegui concluir o curso que mais queria e até trabalhar na área. Parecia tudo correr razoavelmente bem até que, necessitei de recorrer a ajuda profissional (psiquiatra/hipnoterapeuta/psicólogo) devido a acumulação de stresse e ataques de pânico.
    Atualmente encontro-me ainda a fazer sessões de hipnose e a tomar medicação, mas estou muito mais descontraída e acredito num futuro muito mais risonho.
    Já sabes, qualquer questão, qualquer coisa.. podes sempre vir falar comigo :)
    Gostei da sinceridade !
    <3

    Beijinho
    https://trendsandfashionblog.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  9. Nem sei o que dizer Sofia, não fazia ideia...
    A verdade é que as mudanças fazem nos bem, ajudam nos a crescer e lidar com certas situações. Mas talvez esta mudança não foi das melhores.. da aldeia para a cidade...Eu também era da aldeia e tive que ir para a cidade, quando vim do Canada com 10 anos, fui para um colégio de freiras e era tudo filhinho de papa.. Estas a imaginar o filme.. Eu falava "à brasileiro" as minhas notas não eram grande coisa.. (nem sei como é que passei de ano).. Fui criticada muitas vezes, pela maneira que vestia (não tinha roupa de marca), mas nunca deixei que isso me afecta-se.. (as pessoas são diferentes).
    Mas ainda bem que foste pedir ajuda.. E tinhas quem te apoiasse (namorado e pais). E que as coisas aos poucos foram-se resolvendo.. Talvez o pior são as sequelas.. :(
    Mas acredito que um dia, vais conseguir recuperar tudo que "perdeste" nestes 3 anos..
    Beijinhos

    ReplyDelete
  10. Sofia, eu só quero agradecer-te por partilhares a tua história. Eu encontro-me a caminho do 12.º ano, também em Ciências e Tecnologias e compreendi perfeitamente algumas das coisas que escreveste. Até à data de hoje, o meu percurso tem sido muito de 8 ou 80 pois tenho alturas em que me sinto super motivada e acabo por deixar o estudo controlar-me em vez do contrário e tenho outras alturas em que me sinto super baldas, que não quero saber de nada... Já pensei em procurar ajuda profissional não a nível psicológico/psiquiátrico mas a nível de orientação, como sessões de coaching.
    Não sei se leste o post que fiz no meu blogue "Necessidade de mudar" onde eu falei exatamente sobre isto. Como disse, estou a caminho do 12.º ano e vou fazê-lo noutra escola, ou seja, o meu último ano do ensino secundário vai ser algo completamente novo. Decidi fazê-lo por não querer desistir, coisa que estava a acontecer na antiga escola. Sentia-me cada vez mais deslocada daquele ambiente e isso, embora existam outros fatores, refletiu-se nas minhas notas.
    Mais uma vez obrigada por esta partilha.
    Beijinhos.

    https://bloomblogue.blogspot.pt

    ReplyDelete
  11. Minha querida, não fazia ideia que estavas a passar por isso tudo :(
    Se precisares de algo estou aqui.
    Beijinhos
    Beatriz Couto

    ReplyDelete
  12. Antes de mais, parabéns pela tua nota minha querida e parabéns pela tua força. É preciso muito para conseguires ter a coragem de fazer este percurso todo! Nem imagino o que possa ser esse estado de ansiedade tão grande :(
    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ReplyDelete
  13. É TÃO BOM SE EXPRESSAR. Entendo bem o que você disse no post, adoro ler e escrever publicações assim. Só tenho uma coisa a dizer: Uma hora tudo melhora! DEUS É TOPE DEMAIS!
    Bjs
    Pony Random / Instagram / Facebook

    ReplyDelete
  14. Sou 100% citadina, não faço ideia quais as diferenças entre a tua outra escola e a escola na cidade. Contudo acredito que tenha existido um choque. A nossa mente funciona realmente de maneiras estranhas. Uma nova escola, novas matérias, habituação a boas notas, choque talvez um pouco "cultural" - e a mente vai abaixo. É preciso muita coragem para pedir ajuda. E ainda bem que o fizeste. E acredita que tu tens muita sorte em teres familiares e amigos que te apoiam pois conheço muitos casos em que isso não acontece - agora imagina como será? Sem apoio, sem nada. E é muito comum...há pessoas que ainda não acreditam que a depressão é uma doença e bem perigosa por sinal. E há quem diga "deixa-te de coisas, tás triste por causa disso? que parva" e depois acontece o suicidio e não sabem porquê...

    Bem...mas quero-te dizer que espero que continues a melhorar e que te prepares com a doutora para a entrada na universidade e que continues com muita força e vontade!
    Beijinhos grandes*


    Blog ChocoPink / Instagram / Facebook

    ReplyDelete
  15. Posso dizer que o secundário foram os 3 melhores anos da minha vida, aprendi muito, fiz muitos espectáculos, senti-me verdadeiramente feliz e completo, mas também posso afirmar que foram dos piores, também tive uma depressão séria, bulimia e senti que andei algumas vezes perdido, de facto ajuda psiquiátrica é fundamental, foi isso que me salvou de cair no fundo do poço.

    MRS. MARGOT

    ReplyDelete
  16. Muitos parabéns pela excelente média! Boa sorte para a próxima fase da tua vida universitária! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ReplyDelete
  17. Antes de mais, deixa-me que te diga que tens uma enorme força de vontade e um pensamento muito firme! Passar por 3 anos assim não é nada fácil exatamente pelo que disseste, somos adolescentes, muita coisa sucede, muita coisa muda, sentimos muito mais as coisas. Fico contente por nunca teres desistido e teres traçado e concluído a tua meta, mesmo que com obstáculos. Conhec o teu blog através deste post e ganhaste mais uma seguidora!
    Continuação de sucesso e felicidades.
    Beijinhos

    www.escrevelaesta.blogspot.pt

    ReplyDelete
  18. Parabéns por teres conseguido alcançar os teus objectivos!! :D O secundário é um percurso tenebroso, também tive fases difíceis! Embora só tenha estado em baixo mesmo, no ano passado (segundo ano no meu curso). Também ainda estou a recuperar, mas ao olhar para trás sinto-me muito melhor e com mais confiança para continuar. Força! :)

    http://purflefox.blogspot.pt

    ReplyDelete
  19. Sucesso minhas rosa, sei bem o que eh ser rotulada no ensino médio e o quanto eh satisfatório que possamos superar essa etapa. Amei seu texto mesmo grande foi muito necessário em cada palavra que compartilhou conosco. E muito sucesso nessa nova etapa.

    Beijos
    La Rosa Blanca

    ReplyDelete
  20. Excelente texto! Um exemplo de vida para todos!

    ReplyDelete
  21. Olá, td bom?
    Nunca imaginei que vc pudesse estar passando por algo assim, pois por mais que as vezes postasse aqui q estava se sentindo para baixo, sempre me passou a impressão de q vc é super forte no q se trata de sentimentos e lidar com problemas. Eu realmente estou chocada.
    Ao mesmo tempo (isso pode parecer esquisito) eu te invejo, pois eu n tenho essa força de vontade q vc demostra ter... Deixe-me explicar: Desde que entrei para o ensino médio (secundário) minha vida tem ido de mal a pior (não só em notas como pessoal). Eu nunca soube lidar com estudos, notas, socialização e sentimentos, pois sou uma merda em todos esses quesitos, mas definitivamente, o secundário me matou!
    Quando entrei no 10º ano eu n imaginava que seria tão difícil acompanhar os estudos, pois antes parecia bem mais fácil (mesmo eu tirando notas quase medianas).
    Estou agora no ultimo ano, e sem nenhuma perspectiva de vida, pois minhas notas não são nada favoráveis, e tbm n escolhi faculdade. Preciso urgentemente de um emprego para dar rumo a minha vida, já que ficar nesta casa (a casa de meus pais) é um inferno completo - nessa parte tbm te invejo, pois seus pais são carinhosos e te levaram para fazer tratamento etc. Se eu disser para os meus como eu me sinto, e que estou surtando eles vão rir de mim e gozar de minha cara!.

    Não tenho em quem me apoiar, e é o motivo maior para eu ter criado o meu blog. O criei pois n tenho ninguém que realmente me ame e me de carinho ou se importe de coração comigo.

    Vc é forte, continue assim q tudo vai ficar bem para vc. Só n tenho certeza q vai ficar bem pra mim.

    ReplyDelete
  22. Ainda bem que já a conseguis-te superar e que está tudo bem! Fizeste muito bem em aceitar ajuda, se fosse eu, não sei se conseguiria... Desejo-te muita sorte para a nova fase da tua vida - a universidade - e aqui é que não podes mesmo deixar que as notas te afetem porque nunca são como nós queremos. Vai tudo correr bem :)
    Beijinhos <3

    www.losingmamind.blogspot.pt

    ReplyDelete
  23. Olá!
    Esse foi um ótimo post! Parabéns por ser tão forte e por ter conseguido! Dias ruins ainda vão existir, mas eles não significam que sua vida é ruim <3
    Você vai ser uma engenheira brilhante!
    Beijos
    seessemundofossemeu.blogspot.com

    ReplyDelete
  24. Obrigado, sua linda! E imaginava-te imenso dele!

    Sabes quando te dizia que sentia uma ligação enorme contigo sem saber muito bem porquê?! Pronto, aqui está mais uma das razões que me leva a crer que nada acontece por acaso. No meu 12º ano aconteceu-me exatamente o mesmo. Tive um esgotamento nervoso por causa do exame de história mas consegui ser das melhores notas da minha escola. Os ataques de pânico, seguido da entrada na universidade, a anorexia em seguida. Enfim. Foram longos anos a passar pelo mesmo.
    Não há muito que te possa dizer senão viveres um dia de cada vez. Levar tudo com mais calma. Pensar que o amanhã poderá ser (e, por norma, é) melhor! A vida são dois dias e vivemos muito dos "ses". As coisas à nossa volta podem não fluir da maneira como queremos - e desculpa-me por não saber que o fogo tinha afetado a tua família -, mas acredita que tudo o que acontece, acaba por acontecer por alguma razão. É tudo uma questão de vermos o lado positivo (porque há sempre).
    Provaste que és capaz. Conseguiste ultrapassar barreiras. Precisas, somente, de um pouco de confiança.... Porque, uma vez mais, tu és CAPAZ!!!

    Obrigado por partilhares isto. Obrigado por seres uma pessoa tão genuína! <3

    NEW REVIEW POST | Concentrated Shower Gel: Is WORTH? :o
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ReplyDelete
  25. Consegui sentir a angústia que passaste através das tuas palavras, mas respiro fundo agora no final, a perceber que estás bem. Tudo correu bem, e tudo irá continuar a correr!

    Um abraçinho beeeeeeeeeem apartado, senhora futura engenheira. Que todos os teus sonhos se realizem!*

    A Marta

    ReplyDelete
    Replies
    1. R: Não tens nada que agradecer, obrigada eu pela partilha.
      E em relação às 'broinhas'... *.* Vamos atrás delas todaaaaaaaaaas, as duas, a correr - que enquanto corremos, abatemos calorias e isso é exercício, não é? Hum? Hum? ;)

      A Marta

      Delete
  26. Oh meu Deus Sofia, a gente lê um blogue, fala um pouco com a pessoa e pensa que já a conhece um bocado. Na verdade não sabemos nada do que se pode passar.... Ninguém devia passar por essa angustia e sofrimento. Mas tu és forte e consegues ver o quanto atinges na tua resiliência. De coração quero que sejas feliz porque esse é o nosso papel principal! Já te digo Srª Engenheira! beijinhos daqueles assim especiais!

    Coco and Jeans by Marisa x My Instagram x My Bloglovin

    ReplyDelete
  27. WOW, a tua história é... WOw nem tenho palavras para dizer, quando estamos habituados a tirar boas notas e depois tiramos uma mais baixa(como o 13 a F.Q., por exemplo), pode partir-nos o coração, eu sei.
    www.styledays.pt

    ReplyDelete
  28. Bem, antes de mais, dou-te os meus parabéns por partilhares a tua história. Não deve ser nada fácil partilhar algo que te assombrou durante tanto tempo.
    O Secundário é, de facto, uma fase muito difícil, e com muita pressão, mais do que a maioria de nós aguenta. Não passei por metade daquilo que passaste ( nem o consigo imaginar) mas, tal como tu, também senti a pressão das notas, e também contava exatamente o número de horas que estudava. Se estudava menos de 12 horas num dia, ficava muito zangada comigo mesmo. Mais tarde, essa obsessão passou e consegui acabar o secundário com uma média bastante boa.
    Nota-se que tens uma grande personalidade porque, ao contrário de muitas pessoas, não recusaste ajuda. E essa ajuda foi essencial para melhorares.
    Infelizmente, estamos cada vez mais numa sociedade de rótulos. Enfim, parece que as pessoas estão cada vez mais estúpidas. Fico muito feliz que tenhas aprendido a lidar com isso. Boa sorte para a universidade, muito sucesso :).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ReplyDelete
  29. Sei perfeitamente o que isso é! E agora tenho a minha irmã Jéssica a entrar no secundário e estarei sempre atenta a ela. Boa sorte para a universidade e parabéns pela tua média, poucos conseguem ;)

    Beijinhos <3 /Andreia

    https://damselme.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  30. Amazing post, dear! Looks wonderful :)
    Hugs ♥
    LIANA LAURIE

    ReplyDelete
  31. Querida, lamento muito teres passado por tudo isto! É frustrante estar deste lado e nada poder fazer para te ajudar. :( O facto de teres conseguido ajuda e teres os teus pais sempre a apoiar-te é uma mais valia. És uma miúda fantástica e acredito mesmo que vais muito longe e vais ter imenso na área que mais desejas, neste caso engenharia <3 A sério! Acredita sempre em ti. Quero-te ver bem!
    Beijinhos linda <3, The Fancy Cats

    ReplyDelete
  32. Percebo perfeitamente esta situação. A pressão dos rótulos, dos resultados e pior (na minha opinião), as expectativas.
    Sejam dos outros, sejam as próprias.

    Vi muita gente ir-se abaixo na universidade, e especificamente em cursos exigentes (uma engenharia...). Conheci quem andasse medicado qb para adormecer nas aulas.
    Pessoalmente não notei um grande contraste entre o básico e a secundária, mas notei a diferença enorme, gigantesca do ambiente/pressão/expectativas na universidade. É um choque grande.

    Com isto, quero apenas deixar que ao entrar na universidade vais precisar ainda mais de apoio e de alguém com quem falar. E um pequeno conselho pessoal: suplementos vitamínicos. Também ajudam e imenso. O cérebro funciona muito mal quando estamos privadas de algo. Outro: se vires que as cadeiras pré-determinadas são demais, reparte-as. Inscreve-te apenas em algumas. É mais produtivo do que entrar numa pressão absurda, correr atrás de todas, e não concluir nenhuma.
    Não é de modo algum para desencorajar. Nunca! São apenas outras perspectivas de como lidar com certas situações.

    beijinho

    ReplyDelete
  33. Obrigada por nos contares a tua história. Não apenas para te conhecer melhor a outro nível, mas também porque agora me sinto motivada. Também eu acabei k secundário este ano e consigo perceber a tua situação, sinceramente, o secundário não é fácil para ninguém. Todos nós temos problemas fora da escola e a pressão dentro dela só nos faz pior. Muita gente diz que o secundário é suposto os melhores anos da nossa vida, mas reescrevo o que já referiste: estes foram os três piores anos da minha vida. Apesar de tudo, estes foram os anos em que me senti mal, eu estava mal. Tive a sorte de ir para a mesma escola que amigos próximos e todos passámos pelo mesmos e entre ajudamo-nos.
    Desejo-te o melhor dos futuros e que tenhas todo o sucesso que bem mereces! Muitos parabéns pela tua conquista!
    Beijinhos
    www.littlewonderlandxo.blogspot.pt

    ReplyDelete
  34. Apsar de todas as dificuldades conseguis-te cumprir com sucesso os teus objetivos, acabar o secundário com um 18 é muito muito bom. Agora vais entrar na universidade e tenho a certeza que vai ser uma nova fase da tua vida, uma boa fase. Boa sorte linda, com este post mostras-te a todos os teus leitores o quanto és forte e lutadora. Tenho a certeza que com a tua historia vais conseguir inspirar muitas pessoas que estejam a passar pela mesma situação que tu. Beijinhos minha querida <3
    http://virginiaferreira91.blogspot.pt

    ReplyDelete
  35. I really really needed this, thank you so much. I'm not going to lie... I pretty much have always got straight A stars in everything. I just had my end of high school finals... and i messed them up, BADLY. I'm so scared of people noticing the drop in my grades and I'm terrified about what's going to happen on results day.
    Aleeha xXx
    http://www.halesaaw.co.uk/

    ReplyDelete
  36. Sabes bem que não tens de agradecer. Estou e estarei sempre aqui :')
    Fico grato em saber que estamos mais ligados do que nunca!

    Meeeesmo! E foi isso que me suscitou tanta e tanta curiosidade :3

    NEW OUTFIT POST | Only You Can Decide
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ReplyDelete
  37. acho que este post vai ser muito importante para muita gente!!!
    por acaso, os 3 anos de secundário foram os melhores anos da minha vida até agora, estudava o suficente e tinha as notas que queria, sem prescindir de nada. foi a altura em que fiz grandes amigos e me dediquei a organizações e ao desporto como nunca tinha antes feito. Mas percebo te tão bem quando dizes a frustração que é quando o teu esforço não é recompensado
    sempre estive habituada a estar entre as melhores, esforçava me e os resultados correspondiam masdesde que entrei para a faculdade as coisas mudaram. Esforço me imenso mas os resultados quase nunca estão lá, passei de ser uma das melhores da escola para estar entre os ultimos do curso na pauta e acredita que isso é uma sensação horrivel, mesmo assim tento que isso não me consuma muito
    estás completamente de parabéns!! 18 é uma media excelente e espero mesmo que entres no que queres para sermos colegas engenherias eheh (já sabes para qual queres ir?)
    e dá muita força ao teu familiar, não sei nem imagino o que é passar por isso mas acredito que ele vai superar e tu também :)

    muitos beijinhos querida e obrigada por parilhares a tua história com o mundo

    http://umacolherdearroz.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  38. Adoro que tenhas partilhado a tua historia conosco!!
    Acho realmente tao triste a posicao em que as escolas colocam as criancas e o modo como a sociedade esta' formada para termos que ser sempre os melhores e agradar a todos e bons em tudo!! Ridiculo..
    Obrigada pela partilha e coragem!
    Beijinhos

    https://thathappymess.com/

    ReplyDelete
  39. Li todo o post e revi-me completamente em quase tudo! Quase, porque sempre (desde a pré-escolar) que fui a menina da aldeia a estudar na cidade, facto que se tornou discriminatório nos 5º, 6º e 7º anos principalmente; quase porque não tive a sorte dos resultados terem sido recompensadores, tive de ir à 2ª fase por 6 décimas, tive de pedir revisão de prova da 2ª fase por 4 décimas e aí sim consegui...
    As crises infelizmente continuaram na faculdade com o agravamento de ter de lidar com elas sozinha...

    Beijinhos,
    Linha d’Olho | Instagram

    ReplyDelete
  40. Li este post e em alguma parte revejo-me nela, já acabei o secundário há 3 anos, mas as dificuldades foram muitas, principalmente na altura dos exames que não me correram pelo melhor na altura fazendo assim que a minha média, que lutei em 3 anos para a ter, baixar com os exames... Mas a verdade é que consegui dar a volta por cima, chorei e pensei que não havia solução, mas houve. Tive 1 ano em casa não me sentia preparada para entrar para a faculdade, foi quando criei o meu blog, foi também como um escape, mas há 1 ano decidi "é desta que vou entrar e enfrentar os medos" e assim foi, entrei no curso que mais ansiei e já estou no 2 ano, tem sido difícil, noites sem dormir para garantir sempre aquela média! Mas querida nada é impossível e tu vais conseguir lutar contra tudo isso que te deita abaixo, confia em ti e que és boa no que fazes e, que não é a escola/faculdade que te vai dizer o contrário! Se agora não conseguiste o que pretendias, luta e confia que irás ter ainda melhor do que pretendias!

    Continua a lutar Sofia, és um guerreira e irás ganhar esta batalha.
    Um super beijo! <3

    https://simple-nes.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  41. Não imaginas o que eu me identifiquei com este post, quando dei por mim já estava a chorar.
    Revi me em cada palavra tua mas o meu drama aconteceu já na faculdade. Agora as coisas estão calmas mas sei que com o inicio do segundo ano e o aproximar das avaliações o pesadelo vai voltar...

    ReplyDelete

Obrigada pelo comentário! Vou sempre retribuir o comentário e responder a qualquer pergunta no teu blog ou, caso não tenhas blog, respondo aqui :)

Thanks for the comment! I will always return the comment on your blog and answer any question you have or, if you don't have any blog, I will answer here :)